Perseguidos, cristãos recebem menos ajuda humanitária durante a pandemia


Na Nigéria, assim como em outros países, a perseguição aos cristãos é uma realidade ainda invisível para grande parte do mundo, algo que não mudou durante a pandemia do novo coronavírus, a qual só piorou a situação.

A Missão Portas Abertas recebeu o contato de alguns pastores que estavam passando por dificuldades. Uma vez que eles dependem dos salários das igrejas, não estavam conseguindo alimentar suas famílias porque elas foram obrigadas a fechar suas portas.

Muitas viúvas e órfãos também se encontram na mesma situação, sem condições de se manter devido o bloqueio. Os pedidos de ajuda são constantes, segundo Suleiman, diretor da Portas Abertas. O seu nome completo não foi revelado por motivos de segurança.

Devido à perseguição de extremistas islâmicos, como os Fulani, Boko Haram e às Forças Democráticas Aliadas, foram deslocadas 19 milhões de famílias, incluindo 10 mil cristãos.

O Boko Haram é também chamado de Estado Islâmico da África, dado o seu nível de crueldade e radicalismo religioso.

Existem regiões como Lakes, Sahel e Horn que não tem condições de lidar com o impacto da pandemia por muito tempo, a menos que recebam ajuda humanitária, mas mesmo assim os crentes nesses campos sofrem com a falta de estrutura e recursos.

“A situação da Covid-19 representa uma ameaça e um desafio para nós, para muitas de nossas viúvas e outros crentes vulneráveis. Alguns dos campos de deslocados internos realmente contam com o nosso apoio para poder continuar a viver. É um desafio neste momento, mas confiamos no Senhor enquanto estamos juntos, que Ele ajudará a encontrar soluções para esses problemas”, diz Suleiman.

Segundo relatos de missionários e parceiros da Potas Abertas na região, os cristãos estariam recebendo rações em quantidades seis vezes menores do que a dos muçulmanos.

Isso foi relatado no estado de Kaduna, Norte da Nigéria, incluindo Ungwan Boro, SabonTasha, Barnawa e Naraye, segundo a Portas Abertas.

Os parceiros também contaram que receberam um kit alimentação, mas que é insuficiente para 4 pessoas, onde só constam um pacote de macarrão, uma porção de arroz e um saquinho de óleo.

Muitas das 9.000 famílias da Nigéria não sabem como será para se alimentar nos próximos meses, por isso a Portas Abertas pede aos cristãos para que orem em função dos perseguidos.





Esta Noticia Apareceu Primeiro em Source link

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
radio gospel vidaa.com